Scroll Top

ECofragem de uma face: 4 conceitos a ter em conta

1

Está prestes a iniciar um projeto de construção e sabe que tem de construir paredes de uma face, mas não sabe bem como o fazer?

Neste artigo vamos tentar explicar o que é uma cofragem de uma face, quais são as suas características e, sobretudo, quais são os pontos críticos a ter em conta na betonagem de uma parede de uma face.

O que é a cofragem de uma face?

A cofragem de uma face é uma técnica de construção utilizada para betonar paredes de betão quando não é possível o acesso a ambos os lados da parede. Esta situação pode surgir em inúmeros cenários, incluindo a construção de muros de contenção, túneis, renovações onde uma estrutura existente impede o acesso, ou na construção de caves e pisos subterrâneos.

Funcionamento da cofragem de uma face

Compreender o funcionamento da cofragem de uma face é essencial para perceber a sua versatilidade e a seu contributo para a construção moderna. Esta técnica baseia-se na utilização de um sistema de painéis de cofragem apenas num dos lados do muro a construir, com uma estrutura de suporte (“consola”) para transmitir a pressão do betão ao solo.

A primeira fase do processo consiste na instalação dos painéis de cofragem, acoplados a esta estrutura, formada por “consolas” metálicas. Em função do desenho e das especificações da parede é selecionado e instalado um sistema de cofragem adequado.

De todos os modos, estes painéis são fixados com ancoragens ou suportes provisórios para os manter no lugar durante a betonagem. As ancoragens são elementos fundamentais, uma vez que suportam a pressão do betão evitando que o sistema de cofragem se erga.

Depois de colocados os painéis de cofragem procede-se à betonagem. É aqui que reside a singularidade da cofragem unilateral: a betonagem é apenas de um lado. Isto requer um planeamento cuidadoso e uma execução meticulosa para garantir que o betão é distribuído uniformemente e chega a todas as partes da cofragem.

Enquanto o betão cura, o sistema de cofragem deve suportar a pressão exercida pelo betão. Este é um aspeto crítico do processo, uma vez que a resistência e a estabilidade da cofragem determinam a qualidade e a segurança da estrutura final. Os sistemas de cofragem, geralmente feitos em aço ou alumínio, são concebidos para suportar esta pressão.

Esquema das cargas na estrutura de betão numa cofragem de uma face.

Em resumo, o funcionamento da cofragem de uma face envolve uma série de etapas bem definidas, desde a instalação dos painéis de cofragem até ao posicionamento das ancoragens e à betonagem. Cada passo é fundamental e permite garantir que a técnica de cofragem unilateral é eficaz e segura.

Fatores a ter em consideração na cofragem de uma face: Adaptação às circunstâncias

Ao aplicar a técnica de cofragem de uma face devem ser tidos em conta uma série de fatores chave para garantir um resultado ótimo. Cada projeto é único, pelo que é crucial adaptar a abordagem às circunstâncias específicas.

Estes são alguns dos aspetos mais importantes:

  • Consistência do betão: O betão é a base de qualquer projeto de cofragem de uma face. Logo, a consistência do betão é crucial. Um betão demasiado fluido pode provocar pressões excessivas na cofragem, ao passo que um betão demasiado seco pode não preencher corretamente a cofragem e causar imperfeições na estrutura final.
  • Altura da parede: A altura da parede afeta a pressão que o betão exerce sobre a cofragem. Quanto mais alta, maior será a pressão. Por conseguinte, a cofragem (e as suas ancoragens!) deve ser suficientemente forte para suportar estas pressões.
  • Velocidade de betonagem: A velocidade de betonagem pode ter um impacto significativo na pressão exercida sobre a cofragem. Uma betonagem demasiado rápida pode originar pressões excessivas e uma betonagem demasiado lenta pode fazer com que o betão comece a endurecer antes da betonagem estar concluída.
  • Temperatura exterior: A temperatura pode afetar a velocidade de cura do betão. Em condições de frio o betão pode demorar mais tempo a curar, o que pode exigir que a cofragem permaneça no local durante um maior período de tempo. Por outro lado, em condições de calor o betão pode curar mais rapidamente do que o previsto.
  • Espessura e armadura da parede: A espessura da parede e a armadura utilizada podem afetar tanto a pressão exercida sobre a cofragem como a quantidade de betão necessária. É essencial ter em conta estas caraterísticas durante a planificação do projeto.
  • Vibração correta do betão: Por último, mas não menos importante, o betão deve ser corretamente vibrado para eliminar quaisquer bolhas de ar e garantir que o betão é distribuído uniformemente na cofragem. No entanto, a vibração excessiva pode causar a separação do betão afetando a qualidade da parede final.

Estes são apenas alguns dos muitos fatores a considerar quando se aplica a técnica de cofragem de uma face. Uma planificação adequada e uma execução cuidadosa, adaptadas às circunstâncias específicas de cada projeto, são fundamentais para garantir a qualidade e a segurança da estrutura final.

Tipologias de ancoragens

As ancoragens na base da cofragem para paredes unilaterais são essenciais para garantir a estabilidade da estrutura durante a fase de betonagem e durante a cura do betão. As ancoragens variam em função do tipo de cofragem utilizado e das especificações do projeto, mas alguns dos tipos de ancoragens mais comuns são:

  • Ancoragens padrão: Podem incluir suportes ou placas de aço que são fixados à base da cofragem e firmemente ancorados à fundação por meio de elementos pré-instalados com cabeças embutidas.
  • Parafusos de fixação: Trata-se de parafusos de grandes dimensões, semelhantes a helicoides, que são aparafusados no solo para proporcionar uma ancoragem sólida à base da cofragem.
  • Ancoragens químicas: Trata-se de materiais químicos, como resinas epoxídicas ou cimentos especiais, que são injetados no solo ou em furos especificamente criados para proporcionar uma ancoragem sólida.
  • Ancoragens geotécnicas: São utilizadas em situações em que a estabilidade do solo é particularmente crítica e incluem estacas de betão armado ou estacas de aço cravadas no terreno subjacente.

É importante consultar sempre os planos e especificações do projeto para determinar o tipo de ancoragem mais adequado para a cofragem que está a ser utilizada e para as condições específicas do local de construção. Além disso, as ancoragens devem ser bem dimensionadas e corretamente instaladas para garantir a segurança e a estabilidade da estrutura durante todo o processo de construção.

Conclusão

A cofragem de uma face é um recurso essencial no mundo da construção moderna. Pela sua versatilidade e adaptabilidade, esta técnica oferece soluções únicas perante os desafios colocados por diferentes tipos de projetos, desde a construção de muros de contenção e túneis até à criação de caves ou pisos subterrâneos.

Para garantir a segurança e a qualidade da estrutura final, é fundamental selecionar materiais de cofragem de elevada qualidade e utilizar técnicas adequadas. A cofragem de ferro, por exemplo, é uma excelente escolha devido à sua resistência e durabilidade.

À medida que avançamos rumo ao futuro da construção, a cofragem de uma face continuará a desempenhar um papel fundamental, ajudando-nos a construir estruturas mais fortes, mais seguras e mais eficientes.

Engenheiro Técnico Industrial e Arquiteto Técnico, com mais de 5 anos de experiência na Alsina. As minhas principais funções estão orientadas para o cálculo de elementos singulares, assistência técnica e desenvolvimento de novas soluções.
Maximilian Koschmieder
Latest posts by Maximilian Koschmieder (see all)

    Quer saber mais? Contacte-nos!

      Posição:

      *Os campos obrigatórios

      Postagens relacionadas