Os melhores métodos para a reparação de cofragem para muros

1

Já comprou cofragens para muros (painéis) e precisa de saber como proceder à sua manutenção e reparação?

Procura algumas dicas para as fazer durar o máximo de tempo possível?

Vejamos os passos mais comuns e ótimos para cuidar dos seus painéis!

As cofragens para muros são elementos de aço (ou alumínio) para a betonagem de muros verticais. A estrutura de aço é normalmente galvanizada ou pintada.

Normalmente estas cofragens são cobertas com um painel de contraplacado revestido com uma película especial (fenólica) para evitar que o betão se cole. Em casos excecionais, o revestimento de plástico ou metal também pode ser encontrado, mas neste artigo discutiremos apenas painéis com revestimento de contraplacado, que é sem dúvida a solução mais comummente utilizada.

Porque é importante saber como reparar e manter a cofragem para muros?

Durabilidade e reutilização

A cofragem para muros é um elemento modular com uma vida útil bastante longa. Podem ser utilizados durante muitos anos, dependendo do nível de cuidado dado ao material no local e da manutenção efetuada ao longo dos anos.

O elemento mais fraco da cofragem é o revestimento de contraplacado fenólico, ao qual se tem de prestar mais atenção tanto na fase de processamento como na fase de manutenção/reparação.

Dado que a aquisição destes sistemas requer investimentos significativos, é muito importante realizar uma manutenção contínua, a fim de poder amortizar o investimento durante o maior período de tempo possível, pelo que recomendo que se inicie a manutenção desde o momento da compra, quer se trate de equipamento novo ou usado.

 

Limpeza da armação e do fenólico

Que ações devem ser tomadas para manter a cofragem limpa antes, durante e depois de ter realizado uma obra?

1.- A primeira ação a tomar, antes de utilizar o material, é verificar se este tem as qualidades corretas de utilização (limpo e lubrificado), caso contrário, correto.

2.- A segunda ação, durante a utilização no local, é limpar/minimizar a argamassa nas partes metálicas e fenólicas , bem como lubrificar a parte fenólica cada vez que o betão é vertido com agente desmoldante.

3.- A terceira ação após a utilização, quando a cofragem é devolvida de um estaleiro de construção para ser armazenada até nova utilização, é a limpeza da armação e do fenólico. Os painéis “respiram” betão, e o betão cola-se a eles, isto é absolutamente normal.

Como se pode limpar a armação removendo os fragmentos de betão aderentes?

Pode ter diferentes graus de aderência de betão nos 2 lados do painel, e dependendo da quantidade de fragmentos de betão pode usar um método ou outro para a limpeza.

Esta classificação poderia ser dividida em 3 categorias:

1.- Painel extremamente sujo: neste caso há 3 sessões a executar:

  • Primeira fase de ferramenta pneumática manual removendo betão espesso em cada lado do painel, entrando profundamente em locais de difícil acesso e através de furos para parafusos tapados.
  • Segunda fase com um produto de limpeza com hidrolimpeza e argamassa aderente (não incluindo a parte fenólica). Esta é uma limpeza a jato de água a alta pressão utilizando máquinas hidrodinâmicas especiais. Este processo permite a remoção de fragmentos de betão com pouco esforço, embora seja mais lento no lado interior do painel. A pressão a ser utilizada na estrutura de aço é de 1000 bar.
  • Se necessário por várias razões de adesão, poderá ser necessária uma terceira fase com moagem abrasiva e remoção dos resíduos finais. O triturador funciona “alisando” a armação e depois removendo o resíduo de betão. Este processo tem a vantagem de utilizar uma máquina menos cara, menos pesada e sem consumo de água. Por outro lado, é um processo com maior impacto em termos de pó transportado pelo ar.

 

2.- Painel meio sujo: Incluiria a segunda fase indicada acima, com alguns retoques em áreas de parafusos passantes com uma ferramenta da primeira fase.

3.- Painel Não muito sujo: Apenas a segunda fase (hidrolimpador) seria necessária.

 

É importante notar que estas 3 classificações não incluem o material oxidado que deve passar por uma sala de jato de granalhagem e depois ser reciclado com tinta.

Reparação do fenólico

O passo seguinte após a limpeza da armação é a reparação do revestimento de contraplacado fenólico. O painel fenólico é a parte mais delicada da cofragem, e portanto a que sofre mais desgaste. Consiste geralmente num painel de contraplacado coberto com uma película fenólica com resina protetora, que garante a sua impermeabilização.

A utilização da cofragem no local leva frequentemente ao desgaste ou abrasão da folha fenólica, que pode rasgar, e pode ser substituída em caso de rutura grave ou desgaste excessivo.

Portanto, definitivamente é a parte da cofragem à qual precisa de prestar atenção.

Existem principalmente 2 métodos para a reparação de painéis fenólicos:

  • Mástique de poliéster: é uma excelente solução para fissuras menores e/ou de forma irregular. Permite uma reparação rápida e eficiente em termos de aderência ao painel, sem deixar quaisquer vestígios que seriam visíveis na betonagem seguinte. A aplicação deve ser sobre uma superfície muito limpa e seca.
  • Mancha de madeira: Para furos pequenos/médios, existem métodos de reparação com tampões de madeira folheada do mesmo tipo fenólico, pré-cortados à medida. Uma fresadora de madeira especial é utilizada para moldar o furo na forma correta, e ao mesmo tempo é inserido no furo o tampão de vedação do tamanho apropriado. Com este procedimento é possível fechar orifícios de até 6 cm de diâmetro, ou quebras de comprimento ainda maior (não recomendado em conjunto com perfil metálico principalmente em áreas angulares ou danos longitudinais causados por arrastamento no solo ou por contacto com partes de vergalhões).

Substituição do fenólico

Se o painel fenólico estiver demasiado danificado, deve ser substituído. Antes da substituição, o estado da face traseira do painel deve ser verificado, pois está frequentemente em muito bom estado, pelo que se pode simplesmente virá-lo para usar a face na parte de trás. Controle para que não tenha demasiados danos para ser utilizável, tais como perfuração excessiva, lasca, ou rebentamento de peças perfurando através da face utilizável.

Quer seja em substituição ou rotação, o processo consiste em remover os parafusos que fixam o contraplacado à estrutura, instalar o novo contraplacado e substituir os parafusos na estrutura (nunca alterar o número de parafusos indicado no desenho do produto).

Finalmente, é importante aplicar silicone em todo o perímetro do painel na ligação com a armação, de modo a torná-lo impermeável e a evitar a humidade na madeira.

Reparação da armação

A utilização dos painéis no local leva inevitavelmente ao desgaste, o que pode causar amolgadelas, ferrugem, buracos, cortes e dobra da própria armação.

  • Amolgadelas: A reparação de amolgadelas de armação nem sempre é simples, mas para danos que não sejam demasiado grandes é possível com ação “manual” e utilizando um martelo ou ferramentas semelhantes.
  • Furos: até Ø50 mm podem ser reparados com soldadura.
  • Cortes: dependendo se é reto, oblíquo ou se falta uma parte da armação, decidir se repara ou descarta para sucata.
  • Oxidação: a oxidação é um processo devido à ação do ar, da água e da humidade sobre metais sem revestimentos protetores. Como os painéis estão continuamente expostos a agentes atmosféricos, é normal que se formem áreas enferrujadas ao longo do tempo, mesmo que sejam galvanizadas. Quando um painel está enferrujado, o processo mais eficaz é a jato de areia/explosão e a regalvanização (e repintura), para o trazer de volta a uma condição à prova de ferrugem. É muito importante efetuar uma verificação exaustiva para uma possível perfuração devido à oxidação de qualquer parte da estrutura metálica que possa causar flacidez ou deformação na execução da cofragem no local. Em tal caso, descarte o painel para sucata.
  • Flexão da armação: Se o painel foi submetido a uma flexão da armação a tal ponto que a verticalidade da betonagem já não está garantida, é necessário retificá-la. Este é um processo importante para evitar “distorções” na betonagem da parede, e portanto para assegurar as tolerâncias mínimas exigidas na carpintaria. A retificação só pode ser efetuada em centros especiais com maquinaria adequada.
    Em caso de flexão de armação ou desalinhamento diagonal, não é possível retificá-lo através da sua eliminação.

 

Espero que já tenha uma ideia das diferentes ações que podem ou devem ser tomadas ao manter os painéis de cofragem para muros, embora este tópico exigisse provavelmente um estudo mais aprofundado.

Ele é parte do Grupo Alsina desde 2005 como chefe do Departamento de Produção.
Lluis Vallmitjana Palau
Latest posts by Lluis Vallmitjana Palau (see all)

    Quer saber mais? Contacte-nos!

      Posição:

      *Os campos obrigatórios

      Postagens relacionadas