Scroll Top

Tudo o que precisa de saber sobre cofragem para estruturas de betão curvas

1

No mundo da construção, a cofragem para estruturas curvas (tanto paredes como lajes) representa um desafio técnico e estético que pode transformar completamente o aspeto e a funcionalidade de um projeto.

Neste artigo, exploraremos as principais técnicas, materiais e considerações para a implementação bem-sucedida de cofragens para essas estruturas de betão in situ.

Cofragem circular para execução de túnel

A importância da cofragem circular

A cofragem circular é essencial para a criação de estruturas com formas orgânicas ou geométricas específicas, oferecendo soluções estéticas e funcionais únicas. Desde edifícios emblemáticos a infraestruturas básicas, esta cofragem permite projetos arquitetónicos que desafiam as linhas retas tradicionais, acrescentando fluidez e movimento aos espaços.

Estas estruturas incluem: paredes curvas, tetos em abóboda, túneis, túneis falsos, tanques circulares, muros de encosto circulares, estações de tratamento de águas residuais, etc.

Muros de suporte circulares de um túnel, executadas com esquadros a uma cara e cofragem circular

Método tradicional, mais lento e mais trabalhoso

Na construção tradicional, as estruturas curvas eram obtidas por métodos que envolviam alguma complexidade. Era utilizada uma cofragem reta como base e, em seguida, eram adicionados elementos de apoio, tais como montantes de madeira ou poliestireno, para moldar as curvas desejadas. Estes montantes são colocados estrategicamente ao longo da cofragem, ajustando-os para se obter a curvatura necessária.

Embora este método possa ser eficaz, tem limitações em termos de precisão e uniformidade das curvas, uma vez que depende muito da habilidade e experiência do construtor em moldar e ajustar manualmente os montantes. Além disso, o processo pode ser mais trabalhoso e demorado em comparação com a utilização de cofragens circulares especificamente concebidas para se adaptarem a curvas definidas com maior precisão e eficiência.

Diferenças entre cofragens circulares

É crucial compreender a distinção entre a cofragem curva e a cofragem flexível que se adapta a curvas específicas na construção. Uma cofragem curva tem uma forma pré-determinada e não pode ser ajustada a diferentes raios de curvatura. Muitas empresas de cofragem oferecem cofragem metálica curva para a realização de estacas curvas até 2 m de diâmetro com material normalizado. Também é possível encomendar cofragens especiais personalizadas, quando a situação o exigir (lintéis ovais, pilares cónicos, etc.).

Cofragem metálica curva normalizada para estacas circulares de 1,5 m de diâmetro
Solução de cofragem metálica personalizada para estacas curvas com secção transversal variável

Em contrapartida, uma cofragem flexível oferece versatilidade, uma vez que pode ser moldada de acordo com as curvas exatas necessárias para uma estrutura específica. Em geral, estes painéis flexíveis podem ser adaptados a um raio mínimo de 2,5 m.

Esta diferença é fundamental porque permite uma maior precisão na modelação de elementos arquitetónicos complexos, como paredes curvas ou colunas, otimizando a utilização de materiais e reduzindo os custos de produção.

Material de cofragem flexível circular ajustado a um determinado raio. Em segundo plano, os mesmos painéis podem ser vistos na posição vertical

Materiais que compõem estas cofragens

Para a cofragem curva, são utilizados sobretudo materiais robustos e resistentes. Os materiais mais comuns incluem o aço, o alumínio e o contraplacado de alta densidade. Estes materiais proporcionam a rigidez necessária para suportar a pressão do betão e garantir a precisão da forma final da estrutura circular.

Por outro lado, a cofragem flexível utiliza estruturas de aço ou alumínio e materiais como o contraplacado fenólico como superfície de cofragem para se adaptar facilmente às curvas necessárias sem comprometer a resistência. A flexibilidade destes materiais permite a criação de formas curvas complexas com maior facilidade e precisão, reduzindo a necessidade de estruturas de suporte adicionais. Além disso, a cofragem flexível é mais leve e mais fácil de manusear do que a cofragem rígida, o que pode aumentar a eficiência e a velocidade da construção.

Planeamento e conceção

É essencial um planeamento cuidadoso. O projeto deve ter em conta o raio de curvatura, a altura e a largura da parede e a pressão do betão. A utilização de software de modelação 2D e 3D ajuda a visualizar o projeto e a identificar potenciais desafios antes da execução.

Planta dos módulos de cofragem flexível circular para a construção das paredes curvas de uma estação de tratamento de águas

Execução e remoção

A precisão na execução é crucial para garantir que a curvatura da parede é a desejada. A cofragem deve ser robusta para suportar a pressão do betão sem deformação. Além disso, a descofragem deve ser efetuada com cuidado para não danificar a superfície da parede. Tal como acontece com a cofragem reta, a vibração correta ao verter o betão e a utilização do agente descofrante são essenciais para obter um bom acabamento do betão.

Conclusão

Em conclusão, a cofragem flexível otimiza a produção em obra e garante uma maior precisão na execução. É amplamente utilizada em estruturas como ETARs, estações de tratamento de resíduos, depósitos de água, túneis, depósitos industriais, etc.

Por outro lado, a cofragem curva é necessária nos casos em que existem pequenos raios, e com execução repetitiva e em série (estacas, pilares circulares, etc.).

Fornecemos soluções para estruturas de concreto. Together, we move forward.
Alsina

Quer saber mais? Contacte-nos!

    Posição:

    *Os campos obrigatórios

    Postagens relacionadas